Inevitável - Capitulo 78

Cheguei na casa da minha mãe com vontade de quebrar tudo e botar fogo. Mas precisava de calma, já que estava gravida e ainda por cima, com Felipe. Bati na porta por três vezes, mas ninguém atendeu, tinha uma musica alta vindo provavelmente da sala, então eu abri. Vi Luiza dançando junto com a minha mãe um musica que eu nem sabia que existia. Felipe largou a minha mão e foi abraçar Luiza. Eu fui até a TV e desliguei.


- Tá maluca, Sophia. - Ela gritou pra mim e não deu a minima atenção pro menino abraçado aos joelhos dela. Parece que agora que o Mica tinha dito na cara dela que ia ficar comigo, ela tinha desistido de fingir que gostava do garoto. - Não pode chegar na casa dos outros assim não.
- Soph, o que veio fazer aqui, meu amor? - Minha mãe disse, já abraçando o neto e o pegando no colo.
- Vim conversar com essa daí! - Disse com todo o nojo que tinha dela evidenciado na voz.
- Se veio me pedir pra assinar o divorcio, desista. - Disse com um sorriso irritante na fuça.
- Não, eu vim foi sentar a mão na sua cara. - Ela sorriu mais ainda.
- Que foi? Viver em pecado com o marido da sua irmã não está mais sendo suficiente? - Eu voei em cima dela com todo ódio que eu tinha naquele momento e ao invés de um tapa, acertei foi um soco nela. Logico que minha mão começou a doer absurdamente. Como homens fazem isso parecer tão fácil?
- Você ficou louca de vez? Eu vou esquecer que está gravida e acabar com você. - Me ameaçou mas eu não liguei. Pelo menos o soco tinha sido bastante forte pra eu ver um pequeno fio de sangue escorrendo do seu nariz, nada demais. Aposto que a dor em minha mão era pior.
- Por que você fez isso? Só porque ele te pediu o divorcio? - Perguntei com dor na voz e ela me pareceu confusa.
- Sophia, você não está falando nada com nada. - Minha mãe me puxou para o sofá, onde eu botei a mão no rosto e deixei algumas lagrimas rolarem.
- O que eu fiz? Só disse não. - Ela deu de ombros como se não fosse nada importante. - Ele é advogado chorona, daqui a pouco consegue esse divorcio comigo querendo ou não.
- Não tem nada a ver com essa porcaria de divorcio. - Gritei irritada. - Por que você denunciou ele?
- Ah - Pareceu então se lembrar. - Deve ser porque ele quase me matou.
- Você sabe muito bem que ele não é violento, você sabe muito bem que você o irritou até que ele ficasse daquele jeito. - Me levantei outra vez. - Retira a queixa.
- Não vou retirar nada, Sophia. Micael deixou marcas reais em mim. Foi só porque eu disse que amo meu filho.
- Talvez seja porque você o abandonou, os dois, na verdade. Você largou os dois como se não fossem nada pra você, agora volta e diz que ama. Luiza, desde que chegamos aqui, não vi você abraçando ou sequer dizendo oi pro seu filho.
- Não tive tempo, você chegou me acusando. - Deu de ombros.
- Não fode, Luiza. Você fez isso por capricho. Porque ele me escolheu.
- Sophia, eu não o obriguei a me enforcar.
- Praticamente fez isso. - Sorri.
- Olha, lamento muito, mas o Micael vai responder sim por agressão a mulher. - Ela terminou de falar e eu já estava em cima dela outra vez, dessa vez, não fui dar soco. Briga de mulher mesmo. Nós caimos, eu segurei seu cabelo e bati a sua cabeça conta o piso, ela então conseguiu virar e me deu alguns tapas também. Eu não sei ao certo por quanto tempo ficamos brigando, só sei que foi até o meu pai aparecer e me segurar. Eu senti gosto de sangue na minha boca, mas olhando a Luiza, com certeza ela estava pior.
- Será que dá pra vocês duas pararem de brigar um só momento? - Meu pai gritou, agora entre a gente. - Que droga, vocês se amavam, pareciam um grude, onde uma estava, a outra estava também. Ai agora, não podem se encontrar que acaba em confusão. Parem com isso. Ninguém aguenta mais isso. Existem muitos homens solteiros no mundo Luiza, vai atrás deles. E você Sophia, devia parar de arrumar confusão agora que o garanhão escolheu você. Você está gravida, você é burra ao ponto de não saber que brigar faz mal pro bebê ou não liga mesmo pra essa criança?
- Ela denunciou o Micael na delegacia. - Eu já estava chorando.
- Ele bateu nela. Não está errada. - Defendeu.
- Eu bati nela agora também, vai lá me denunciar? - Debochei e ela negou com a cabeça.
- Jamais faria isso com você. - Deu de ombros.
- Nossa, que irmã boazinha. - Ela sorriu. - Só que você já fez, parte de mim está lá presa já.
- Para de drama que daqui a pouco ele sai. - Rolou os olhos.
- Hoje tem a primeira consulta do bebê... Micael ia junto, ele estava tão animado e ai quando acordamos... - Recomecei a chorar, nem consegui concluir a frase.
- Filha, que eu me lembre, o pai de Micael é advogado criminal, daqui a pouco ele vai estar com vocês.
- Mas a primeira consulta ele vai perder. E não haverá primeira consulta novamente, era simbólico isso. E você, Luiza, parabéns. - Passei a mão no rosto. - Vamos Felipe.
- Sophia, se acalma antes de ir. - Minha mãe pediu e se recusou a botar o Felipe no chão. - Lava o rosto.
- Mãe, eu não vou nunca me acalmar se eu estiver no mesmo lugar que ela. - Respirei fundo, ela colocou o Felipe no chão e então ele me deu a mão e fomos pro carro.
- Titia, tem sangue no seu rosto. - Eu o olhei com ainda mais lagrimas no rosto.
- Eu sei amor, eu sei. - Virei a chave e então dei partida no carro, pra casa...

9 comentários:

  1. Sophia arrasouuuuuuu, continua

    ResponderExcluir
  2. Que nooooojo da Luiza

    ResponderExcluir
  3. Omg 😱😱😱 que treta kkkk

    ResponderExcluir
  4. Continuaaa 😱😱😱😱😱 Tá muito incrível meu coração não tá aguentando cada tiro atrás do outro não 😱 Assim você me mata 😂💙😱

    ResponderExcluir
  5. Pelo amor de Deus continua

    ResponderExcluir
  6. remarca a consulta por favor

    ResponderExcluir
  7. Ahh vai dar td certo Soph 🙌🙌🙌

    ResponderExcluir